Início / Prefeitura / Conheça Coronel Pilar / Histórico do município

Histórico do município

CORONEL PILAR, denominação surgida com uma expressão de luta e coragem em homenagem ao Republicano Coronel Fabrício Pilar que lutou contra os Federalistas e numa luta, faleceu em 1894. Nesta localidade de 1920 a 1948 existia o “Tiro de Guerra” que preparava os jovens da região para possíveis guerras. Em homenagem a este combatente, Coronel Pilar recebeu este nome pela sua bravura.

Em 1877 chegaram aqui as primeiras bravas famílias de imigrantes italianos, vindas das Províncias de Cremona, Bergamo, Milão, Vicenza e Trento que chegaram aqui, em São Lourenço de Villas Boas, também conhecido por “Sessanta”, devido a sua localização no lote nº 60 da Linha Figueira de Mello, Ala Sul.

As primeiras famílias que aqui chegaram foram: Francesco Baruffi e outros. Em 1925, ainda estava vivo, com a idade de 86 anos, o Senhor Francesco Baruffi, pai de 17 filhos, que havia fabricado o altar, o pavimento e as janelas da primeira igreja de madeira construída pelos imigrantes, sendo que o mesmo havia sido condecorado militarmente pelo governo italiano por haver participado da “patrie battaaglie” da Unificação italiana.

Em 1910, São Lourenço de Villas Boas, passa a denominar-se Floriano Peixoto em homenagem ao Marechal Floriano Peixoto, Presidente Republicano do Brasil. Em l938, o Prefeito Municipal Sr. Vicente Dal Bó, usando das atribuições que lhe conferia a lei Orgânica, eleva a categoria de cidade a Vila de Garibaldi e as sedes dos distritos a categoria de Vila. Somente em 29 de dezembro de 1944, finalmente adota o nome de Coronel Pilar, através do Decreto Lei nº 720.

Coronel Pilar era o 3º distrito do município de Garibaldi, situado na Encosta Superior do Nordeste, estendendo-se por uma área de formação montanhosa recortada por vales profundos e fortes declives. O clima é de transição e as chuvas são regulares por todo o ano. Com a altitude de 520 metros do nível do mar, a temperatura oscila entre 33º a 0º graus centígrados, com formação de geadas e precipitação de neves no inverno.

A área do município é de 104,5 km². Os imigrantes encontraram nas condições do clima e do solo um local próprio para o cultivo da videira, tornando-se a principal cultura do então distrito.

No princípio, os imigrantes estabeleceram uma economia de subsistência, inicialmente deficitária e depois capaz de proporcionar excedentes comerciáveis e finalmente a expansão de uma agricultura comercial especializada na produção de gêneros alimentícios. No período em que era desenvolvida a produção de subsistência com a venda do excedente, surge um próspero artesanato que se dedica à satisfação das necessidades de consumo dos habitantes. Um dos mais importantes produtos da zona colonial neste período foi a produção de banha que na época, além de abastecer o mercado interno, era exportada para a Europa. Em Coronel Pilar, a prática da cultura do milho estava associada a criação de suínos, com o objetivo de produzir a banha.

Segundo declarações de pessoas mais antigas, residentes no então distrito, havia comerciantes que compravam dos colonos os produtos agrícolas produzidos e que utilizando como meio de transporte a tropa de mulas ia até Montenegro levar a produção que dali seguia ate Porto Alegre. Entre estes comerciantes podemos destacar o Sr. Francesco Letrari, que muito trabalhou pelo progresso de Coronel Pilar, sendo que em sua homenagem atualmente existe na sede do Município uma rua que leva o seu nome.

Os imigrantes trouxeram a língua italiana e a fé católica. Em 1908, a Igreja da sede foi reformada, que ocupava o espaço, hoje, salão da Sede. O saudoso Padre Luís Simonággio foi vigário desta Paróquia por 21 anos, de 1932 a 1953.

Acordou os paroquianos não só para a oração, como também para o trabalho. Interessou-se muito pelas estradas, pois quando aqui chegou, havia apenas picadas. Fez uma grande campanha pelo cultivo da cevada, tendo distribuído só no primeiro ano 40 sacos de sementes. Em quatro anos, despachou para Porto Alegre, para as cervejarias que lá estavam se instalando mais de 30.000 sacos de cevada.

Além de ajudar o agricultor a plantar, ele, em 1º de janeiro de l944, com a presença do Bispo Don José Barea lançou a pedra fundamental da nova igreja. Daí em diante, com a colaboração da comunidade, prosseguiu os trabalhos de construção, sendo os tijolos fabricados aqui mesmo, sendo a areia retirada dos arroios. Foram realmente anos de heroísmo e trabalho, com o objetivo de construir a melhor igreja do município de Garibaldi, hoje Coronel Pilar, toda ela em estilo gótico, com aproximadamente 600m2 (Seiscentos metros quadrados) de área construída, sendo realmente uma obra de arte, muito admirada e elogiada pelas pessoas que nos visitam. Após a morte do Padre Luiz Simonággio, a construção da igreja teve prosseguimento com os padres: Pe. Fábio Piazza – 12/10/53 à 07/02/54; Pe. Hilário Piccolli – 23/02/54 à 14/02/56; Pe. Henrique Salvagni – 15/02/56 à 26/01/57; Pe. Gentil Benini – 27/01/57 à 05/02/67. No período de atuação do Pe. Gentil Benini as obras foram concluídas e finalmente inaugurada em 10 de agosto de l959, por ocasião da Festa de São Lourenço.Hoje é considerada o ponto turístico da Sede.

Na entrada da sede do município encontra-se um capitel em honra a Santa Bárbara, protetora contra as intempéries e a São Cristóvão padroeiro dos motoristas.
Em 1908 o imigrante José Magni começou a ensinar em sua casa, em Linha Pompéia, onde hoje se encontra desativada a Escola Municipal Miguel Couto. Em 28 de fevereiro de 1937 foi fundada a Escola Particular Santa Bárbara, pelas dedicadas Irmãs do Imaculado Coração de Maria, que ainda convivem conosco. Nestes 97 anos, suas maiores preocupações tem sido: arrumar a igreja para as missas, fazer as partículas (hóstias) para toda a paróquia, trabalhar com ensino religioso, coordenar catequese, liturgia das missas, cultos e acompanhamentos aos doentes de nossa paróquia.

Em 1969 a Irmã Anselma Stefanello, hoje falecida, vendo que o número de alunos crescia, resolveu construir com a ajuda da comunidade, uma escola para funcionar o 1º grau completo. Em 1977 o ensino passou a ser estadual, pois as religiosas não conseguiam mais sustentar a Escola e com muita dificuldade venderam para o Estado. Em 1983, foi concluída a obra da Escola Estadual de 1º Grau São Lourenço, com capacidade de abrigar mais de 500 alunos, nos três turnos. Hoje o número de matrículas equivale a 113 alunos e esta passou a denominar-se Escola Estadual de Ensino Médio São Lourenço, sendo criado em 2001 o Ensino Médio. No dia 28 de dezembro de 2002, formaram-se as duas primeiras turmas que aqui iniciaram.

As primeiras religiosas que aqui chegaram em 1900 são as seguintes: Irmãs da Congregação de São José – Madre Salete, Madre Ângela, Irmã Matilde, Irmã Áurea, Irmã Lúcia e Irmã Teofânia (hoje o Instituto Estadual de Educação Professora Irmã Teofânia de Garibaldi, leva este nome em homenagem a esta Irmã tão dedicada).
Em 1937 chegaram as Irmãs do Imaculado Coração de Maria – Madre Maria Ursulina, Maria Hilda, Aurora, Maria Juvita. Esta última era muito severa e por castigo dos alunos mal comportados batia nas mãos com a “palota”. Completa noventa e sete anos de existência das religiosas aqui em Coronel Pilar que são elas: Irmã Carmem Schneider, Irmã Delma Caberlon e Irmã Dulce Cristina Hartmann, com idades avançadas, mas que ainda trabalham com a catequese, arrumação da Igreja, e comunhão e visita aos doentes.

MUNICÍPIO DE CORONEL PILAR

A década de 1990 representou um marco histórico dos mais significativos no setor político-administrativo para o desenvolvimento da comunidade. Buscar a condição de município significou pensar na auto-suficiência política e administrativa. Caminhar com as próprias pernas, organizando-se nas diversas relações e necessidades do local, como educação, saúde, agricultura, rodovias e tantas outras, tornou-se um fato histórico de suma importância e um salto para o desenvolvimento.

COMISSÃO PRÓ–EMANCIPAÇÃO

A emancipação do município de Coronel Pilar teve início por volta de 1993, quando a idéia já era discutida nas rodas de conversa entre a população, ideia esta que o senhor Danilo Zanettin lançara, alguns anos antes, ao dar entrevista ao jornal garibaldense Novo Tempo. A primeira reunião do movimento de emancipação de Coronel Pilar aconteceu na noite do dia 14 de janeiro de 1994, tendo por local a sala do Grupo de jovens (JUCOP) , quando um grupo de pessoas reuniu-se par discutir a possibilidade de organizar o movimento de emancipação, como também os requisitos mínimos e as condições que o então distrito de Garibaldi apresentava para vir tornar-se município.

PLEBISCITO

Em decisão do dia 29 de fevereiro de 1996, o Supremo Tribunal Federal garantiu a realização do Plebiscito de Emancipação, que veio a ser realizado no dia 25 de março de 1996, com resposta positiva pela maioria da população. De 1.811 eleitores, votaram 1.455; 1.160 votaram sim; 277 não; 5 em branco e 13 nulos.
Um trabalho árduo foi desempenhado pela comissão, objetivando o processo de Emancipação. Coronel Pilar tornou-se Município, criado pela Lei estadual número 10.744 de 16 de abril de 1996, tendo como municípios de origem Garibaldi e Roca Sales.

INSTALAÇÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO

Primeiro de janeiro de 2001, tem como Prefeito o incansável lutador pela concretização da Emancipação, o senhor ROSALINO MORESCO. Neste ano se iniciou as atividades administrativas no município.

RELAÇÃO DAS GESTÕES ADMINISTRATIVAS

GESTÃO 2001/2004
Prefeito Municipal: Rosalino Moresco
Vice-Prefeito: Adelar Loch

GESTÃO 2005/2008
Prefeito Municipal: Adelar Loch
Vice-Prefeito: Lourenço Delai

GESTÃO 2009/2012
Prefeito Municipal: Adelar Loch
Vice-Prefeito: Daniel Coppi

< GESTÃO 2013/2016
Prefeito Municipal: Lourenço Delai
Vice-Prefeito: Ivan Batista Agatti

Gestão Atual 2017/2020

Prefeito Municipal: Adelar Loch
Vice-Prefeito: Luciano Contini

LIVRO: “HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DE CORONEL PILAR”

O Padre Diocesano Osmar João Possamai, natural de Coronel Pilar, nasceu no dia 14 de agosto de 1941, e em 2006 lançou o livro: “História do Município de Coronel Pilar”, onde destaca a história da comunidade e trata dos aspectos da vida humana, tais como social, político, econômico, religiosa e cultural.

Scroll To Top